segunda-feira, 4 de novembro de 2019

Alfa-BETIZAÇÃO

Conceição Cruz

Cadeira n.º 4

Na semana das crianças, ouvir esta melodia fez-me recordar: eu tinha entre cinco e sete anos e não estava ainda na escola!
Eu cantava esta canção o dia inteirinho, todo dia!
Mamãe costurava e,  para a minha cantoria não atrapalhar a sua concentração na hora de cortar as costuras, ela colocava o pano sobre a mesa, por cima dele, a medida, fazia o nome do Pai e me dizia:
- Minha filha, está muito bonito! Agora, preciso me concentrar! Vá cantar no quintal para alegrar os passarinhos!
E eu ia toda contente cantar para eles!
Ficava maravilhada com o cheiro e o formato das pequenas flores brancas e com a algazarra deles brincando nas árvores!
Antes que os minúsculos frutos sucedessem à floração, o vento brincalhão tecia um tapete floral, muito branco, no chão.
Eu tinha pena da árvore e conversava com o vento para não agitar tanto os galhos...
Eu pegava aquelas flores caídas e ficava sentindo a textura delas em minha pele.
Era mágico ver aquele projeto verde de fruta surgindo no meio das pequeninas pétalas alvas...
E o cheiro! Ah! Que cheiro! Meu Deus!
Nosso quintal parecia uma fábrica de perfumes, de cores  de músicas e de alegria...
E assim, quanto mais os pássaros cantavam, mais eu soltava a minha voz!
Até então, com o coro deles, meu sonho era ser cantora! Eu era uma criança com alma de passarinho!
E eu cantava, cantava e cantava… Diante daquele cenário, a emoção não cabia em meu peito:  ficava imaginando como Deus era um grande artista!
Ficava horas e horas absorta em meus pensamentos:
_ Que magia era aquela que transformava a semente em árvore, a árvore em flores, as flores em frutos, os frutos em semente?
E que atraía não somente os pássaros?
Por vezes, as abelhas extasiadas com tanto néctar, cismavam de brincar de esconde-esconde nos cachos dos meus cabelos…
No outro dia, lá estávamos nós!
O céu era límpido, de um azul brilhante e de nuvens desenhistas…
Por vezes, minha mente se ocupava também em imaginar para onde iriam todas aquelas nuvens…
E assim, as horas passavam como num piscar de olhos!
Cantava ainda para as visitas que iam lá em casa e para todo mundo!
Até que, um dia, apareceu uma visitante a qual me disse que eu não servia para ser cantora porque tinha a boca pequena…
Fiquei um bom tempo pensando sobre o que ela me disse e, desde então, a minha alegria passou a ser a escola, melhor, as letras!
Aprendi a ler tudo!  Mergulhei no mundo da leitura e da escrita.
As horas de cantoria foram substituídas por manhãs e tardes em sala de aulas, estudos, deveres…
Meus amigos pássaros?
Não sei se morreram todos ou se foram cantar em outra freguesia.. 
Por onde andarão?
As laranjeiras?
Nossas árvores perfumadas cederam lugar ao concreto: mais filhos, maior a cozinha…
As horas? Deram cartaz aos anos!
Hoje, lendo aqui, na rede da varanda de minha casa, ao ouvir esta antiga canção, ela fez meus olhos mirarem a minha infância guarnecida de flores, de pássaros, de melodia,  de pureza e de harmonia!
O tempo passou! E como passou!
A criança-pássaro daquela época virou pessoa adulta: foi alfaBETIZADA!

17 comentários:

  1. "criança-pássaro daquela época virou pessoa adulta: foi alfaBETIZADA!"
    Lindas palavras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo!!!!
      Ao ler também viajei no tempo da minha infância !!!!
      Obrigada.

      Excluir
  2. Texto lindo Conceição. Parabéns.

    ResponderExcluir
  3. 👏👏👏👏👏👏 muito lindo 👏🙏🙏🙏🙏🙏🙏

    ResponderExcluir
  4. Amei essa sensibilidade aflorada..
    Senti até o cheiro das flores da laranjeira de nosso quintal...Lindo!

    ResponderExcluir
  5. Que lindo texto, voltei a infância!! Belas recordações, maravilhoso tempo. Parabéns Conceição!

    ResponderExcluir
  6. Gostei muito do texto,mistura lembranças e reflexão, está bem articulado. Volta no tempo simbólico.

    ResponderExcluir
  7. Realmente viajei nos meus tempos de criança. Época em que éramos felizes, sem com o que preocupar. Parabéns Conceição. :)

    ResponderExcluir
  8. Nossa! Que bacana! Parabéns, Conceição! Texto maravilhoso...

    ResponderExcluir
  9. Prezada confreira Conceição, li com emoção seu belo texto, tão cheio de evocações e sentimento. Lembrei-me também dos imensos quintais das casas de minha infância, em Carmo do Cajuru e Itaúna. Felizes de nós! Obrigado. José R. B. Bechelaine, Academias de Divinópolis e Itaúna.

    ResponderExcluir
  10. Vem cantar aqui no quintal essas palavras lindas suas.
    Gosto de ver a emoção nas palavras, da vontade de ler mais e mais, sucesso.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Texto suave Conceição...
    Muito suave!!!!
    Parabéns...

    ResponderExcluir
  12. Querida Conceição! Seu texto me lembrou o quintal de minha infância, bem semelhante ao seu. Também guardo as lembranças dele com saudade. Uma coisa fiquei pensando ao ler o seu relato: importa o tamanho da boca para quem quer cantar? Quem te disse isso não sabia o que dizia. Até porque, a boca pode ser pequena e esconder um grande espaço interno. Mas... o bom é que você encontrou o seu talento nas letras e pode nos brindar com sua sensibilidade. Bjs Regina Maria

    ResponderExcluir
  13. Desde criança já tinha o dom das artes...onde as canções deram lugar as poesias de sua autoria. Sua sensibilidade sempre a acompanhou para nossa sorte, que hoje podemos desfrutar histórias tão lindas de sua infância.

    ResponderExcluir

Os comentários neste blogue são moderados.